Artigos

USS Princeton CV 23 - História

USS Princeton CV 23 - História

USS Princeton CV 23

CV-23: dp. 13.000 (f.); 1. 622'6 ", b. 71'6", ew. 109'2 "dr. 26 '; s. 31 k .; cpl. 1.569; a. 22 40 mm., 16 20 mm .; ae. 45; cl. Independência)

Uma história
O quarto Princeton foi estabelecido como Tallahassee (CL-61) pela NewYork Shipbuilding Corp., Camden, N.J., 2 de junho de 1941; CV-23 reclassificado em 16 de fevereiro de 1942; renomeado Princeton 31 de março de 1942; lançado em 18 de outubro de 1942, patrocinado pela Sra. Harold Dodds e comissionado na Filadélfia em 25 de fevereiro de 1943, com o capitão George R. Henderson no comando.

Após o shakedown no Caribe, e reclassificação para CVL-23 em 15 de julho de 1943, Princeton, com Air Group 23 embarcado, deu início ao Pacífico. Chegando a Pearl Harbor em 9 de agosto, ela fez uma surtida com a TF 11 no dia 25 e rumou para a Ilha Baker. Lá ela serviu como capitânia, TG 11.2 e forneceu cobertura aérea durante a ocupação da ilha e a construção de um campo de aviação lá, de 1 a 14 de setembro. Durante esse tempo, seus aviões abateram os aviões de reconhecimento japoneses "Emily" e, mais importante, forneceram à frota fotos deles.

Concluindo essa missão, Princeton se encontrou com o TF 15, conduziu ataques contra instalações inimigas em Makin e Tarawa e, em seguida, voltou para Pearl Harbor. Em meados de outubro partiu para o Espiritu Santo, a prostituta ingressou na TF 38 no dia 20. Com essa força, ela enviou seus aviões contra campos de aviação em Buka e Bonis em Bougainville (1 a 2 de novembro) para diminuir a resistência aérea japonesa durante os pousos na Baía da Imperatriz Augusta. Nos dias 5 e 11, os aviões atacaram Rabaul e no dia 19, com o TF 50, ajudaram a neutralizar o campo de aviação de Nauru. Princeton então navegou para nordeste, cobriu os grupos de guarnição a caminho de Makin e Tarawa e, após trocar aeronaves operacionais por aviões danificados de outros porta-aviões, partiu para Pearl Harbor e a costa oeste.

A disponibilidade em Bremerton veio em seguida e, em 3 de janeiro de 1944, Princeton partiu para o oeste. Em Pearl Harbor, ela se juntou aos porta-aviões TF 50, agora designados TF 58. No dia 19, ela fez uma surtida com o TG 58.4 para ataques em Wotje e Taroa (29-31 de janeiro) para apoiar operações anfíbias contra Kwajalein e Majuro. Seus aviões fotografaram o próximo alvo de ataque, Eniwetok, 2 de fevereiro e no dia 3 voltou para uma missão mais destrutiva - a demolição do campo de ar em Engebi. Por 3 dias o atol foi bombardeado e metralhado. No dia 7, Princeton retirou-se para Kwajalein apenas para retornar a Eniwetok nos dias 10-13 e 16-28, quando seus aviões suavizaram as praias para a força de invasão e forneceram cobertura aérea durante o assalto e a luta que se seguiu.

De Eniwetok, Princeton retirou-se para Majuro, daí para o Espírito Santo para reabastecimento. Em 23 de março, ela deu início a ataques contra instalações inimigas e embarques nas Carolinas. Depois de atingir o Palaus, a força de Wolesi e Yapthe foi reabastecida em Majuro e sorteada novamente em 13 de abril. Partindo para a Nova Guiné, as transportadoras forneceram cobertura aérea para a operação Hollandia (21-29 de abril), depois cruzaram de volta a International Date Line para raidTruk (29-30 de abril) e Ponape (1 de maio).

Em 11 de maio, Princeton retornou a Pearl Harbor apenas para partir novamente no dia 29 para Majuro. Lá ela se juntou aos carregadores rápidos e apontou seu arco em direção às Marianas para apoiar o ataque a Saipan. De 11 a 18, Juneshe enviou seus aviões contra alvos em Guam, Rota, Tinian, Pagan e Saipan, então navegou para o oeste para interceptar uma frota japonesa relatada estar a caminho das Filipinas para as Marianas. Na Batalha do Mar das Filipinas que se seguiu, os aviões de Princeton contribuíram com 30 mortes e seus canhões com mais 3, mais 1 assistência, para o devastador tributo infligido ao braço aéreo naval japonês.

Retornando às Marianas, Princeton novamente atingiu Pagan, Rota e Guam, então reabasteceu em Eniwetok. Em 14 de julho, ela começou novamente, enquanto os transportadores rápidos devolviam seus esquadrões às Marianas para fornecer cobertura aérea para o ataque e ocupação de Guam e Tinian. Em 2 de agosto, a força retornou a Eniwetok, reabastecida e partiu para as Filipinas. No trajeto, seus aviões sobrevoaram o Palaus e, em 9-10 de setembro, atingiu os aeródromos no norte de Mindanao. No dia 11, eles atacaram o VisaYas. No meio do mês, a força voltou ao tabuleiro de xadrez do Pacífico para apoiar a ofensiva de Palau, depois voltou às Filipinas para atingir Luzon, concentrando-se nos campos de Clark e Nichols. A força então retirou-se para Ulithi e no início de outubro bombardeou e metralhou aeródromos inimigos, instalações e embarque em Nansei Shoto e Formosaarea em preparação para a invasão das Filipinas.

No dia 20, pousaram em Dulag e San Pedro Bay, Leyte. Princeton, em TG 38.3, cruzou Luzon e enviou seus aviões contra aeródromos lá para evitar ataques de aeronaves japonesas em terra contra navios aliados concentrados no Golfo de Leite. No dia 24, entretanto, os aviões inimigos dos campos de Clark e Nichols encontraram o TG 38.3 e retribuíram. Pouco antes das 1000, um bombardeiro de mergulho inimigo solitário saiu das nuvens acima de Princeton. A 1500 pés, o piloto lançou sua bomba. Atingiu entre os elevadores, atravessou "o convés de voo e o hangar, depois explodiu. Os incêndios iniciais logo se expandiram, à medida que novas explosões enviaram fumaça preta para fora da cabine de comando e chamas vermelhas ao longo das laterais da ilha até a popa. Embarcações de cobertura forneceram resgate e assistência de combate a incêndios e protegeu o porta-aviões atingido de novos ataques. Em 1524, outra explosão muito mais pesada, possivelmente o carregador de bombas explodiu a popa do porta-aviões e com ele o convés de vôo. Birmingham, ao lado do combate a incêndios, sofreu graves danos e baixas.

Os esforços para salvar Princeton continuaram, mas em 1604 os incêndios venceram. Os barcos foram solicitados a retirar o pessoal restante e, pouco depois de 1706, Irwin começou a disparar torpedos contra o casco em chamas. Em 1746, Reno substituiu Irwin e em 1749 ocorreu a última e maior explosão. Chamas e debrisshot até 1000-2000 pés. A seção avançada de Princeton havia sumido. Sua seção posterior apareceu momentaneamente através da fumaça. Em 1750 ela havia desaparecido, mas 1.361 de sua tripulação sobreviveram. Incluído nesse número estava o capitão John M. Hoskins, que havia sido candidato a oficial comandante do CVL-23 e perdeu o pé direito com ela, mas que, apesar da perda, se tornaria o primeiro comandante do quinto Princeton (CV-37) .

As perdas e danos às embarcações de apoio foram pesadas: Birmingham-85 matou 300 feridos, um lado superior fortemente danificado e perda de 2 5 ", 2 0 mm. E 2 canhões de 20 mm. - antemastro perdido, bombordo esmagado; Montagens de 5" para a frente do Irwin e diretor para fora , estibordo esmagado; e 40mm. esmagado.

Princeton ganhou 9 estrelas de batalha durante a Segunda Guerra Mundial.


USS Princeton (CV-37)

USS Princeton (CV / CVA / CVS-37, LPH-5) foi um de 24 Essexporta-aviões de classe construídos durante e logo após a Segunda Guerra Mundial para a Marinha dos Estados Unidos. O navio foi o quinto navio da Marinha dos Estados Unidos a levar o nome e foi batizado em homenagem à Batalha de Guerra Revolucionária de Princeton. Princeton foi comissionada em novembro de 1945, tarde demais para servir na Segunda Guerra Mundial, mas prestou serviço extensivo na Guerra da Coréia, na qual ganhou oito estrelas de batalha, e na Guerra do Vietnã. Ela foi reclassificada no início dos anos 1950 como um porta-aviões de ataque (CVA), depois como um porta-aviões anti-submarino (CVS) e, finalmente, como um navio de assalto anfíbio (LPH), transportando helicópteros e fuzileiros navais. Uma de suas últimas missões foi servir como a nave de recuperação principal para a missão espacial Apollo 10.

  • Como construído:
  • 27.100 toneladas padrão
  • Como construído:
  • 888 pés (271 m) no total
  • Como construído:
  • Linha d'água de 28 m (93 pés)
  • Como construído:
  • Luz de 28 pés e 7 polegadas (8,71 m)
  • Conforme projetado:
  • 8 × caldeiras
  • 4 × turbinas a vapor com engrenagem Westinghouse
  • 4 × eixos
  • 150.000 shp (110 MW)
  • Como construído:
  • 4 × armas gêmeas de 5 polegadas (127 mm) / 38 calibre
  • 4 × armas simples de 5 polegadas (127 mm) / 38 calibre
  • 8 × canhões quádruplos Bofors 40 mm
  • 46 × canhões Oerlikon 20 mm individuais
  • Como construído:
  • Correia de 4 polegadas (100 mm)
  • Deck hangar de 2,5 polegadas (60 mm)
  • Decks de proteção de 40 mm (1,5 pol.)
  • Torre conning de 1,5 polegadas (40 mm)
  • Como construído:
  • 90-100 aeronaves

Embora ela tenha sido amplamente modificada internamente como parte de sua conversão para um LPH, as modificações externas foram mínimas, portanto, ao longo de sua carreira Princeton manteve a aparência clássica de uma Segunda Guerra Mundial Essex-class ship. Ela foi desativada em 1970 e vendida para sucata em 1971.


プ リ ン ス ト ン (CVL-23)

プ リ ン ス ト ン は ニ ュ ー ジ ャ ー ジ ー 州 カ ム デ ン の ニ ュ ー ヨ ー ク 造船 所 で 1941 年 6 月 2 日 に ク リ ー ブ ラ ン ド 級 軽 巡洋艦 「タ ラ ハ シ ー (USS Tallahassee, CL-61)」 の 艦 名 と し て 起工 す る. し か し 建造 中 に 航空母艦 へ の 改装 が 決 ま り, 1942 年 2 月 16 日 に CV-23 に 艦 種 変 更 、 3 月 31 日 に 艦 名 を 「プ リ ン ス ス ン ン」 と 変 更 更 る。 10 月 18 日 に マ ー ガ レ ッ ト ・ ・進水 し 、 1943 年 2 月 25 日 に ジ ョ ー ジ ・ R ・ ヘ ン ダ ー ソ ン 艦長 の 指揮 下 フ ィ ラ デ デ ル フ ィ ア で 就 役 し た [2]。

1943 年 編 集

カ リ ブ 海 で で の 整 調 航海 の 後 、 プ リ ン ス ト ン ン は 1943 年 7 月 15 日 に CVL-23 へ 再 び 艦 種 変 更 さ れ 、 第 第 23 航空 団 を 乗 艦 さ は せ た 日到 着 す る と と 第 11 任務 部隊 に 配属 さ れ 、 25 日 に ベ ー カ ー 島 島 攻 撃 に に 向 か う。 ベ ー カ ー 島 攻 撃 で は 第 11,2 任務 群 の 旗艦 旗艦 を 務 ー 島 攻 撃 撃 に 向 か う。 ベ ー カ カ ー 攻 攻 撃 で は 第 11,2 任務 群 の 旗艦 旗艦 を 務 ー 島 攻 撃 撃 に 向 か う。 ベ ー ー カ ー 島 攻 撃 で は 第 11,2 任務 群 の 旗艦 旗艦 を 務 め 島 撃 に に 向 か う。 ベ ー カ カ ー 島 攻 撃 で は 第 11,2 任務 群 の 旗艦 旗艦 を 務 めを 行 う。 そ そ の 間 に 艦載 機 が 日本 軍 の 二 式 飛行 艇 を 撃 墜 し 、 同 機 が 撮 影 ​​し て い た 写真 を 入手 し た。

ベ ー カ ー 島 で の 任務 を 終 え る と プ リ ン ス ト ン は 第 15 任務 部隊 と 合流 し, マ キ ン 及 び タ ラ ワ へ の 攻 撃 に 投入 さ れ, そ の 後 真珠 湾 に 向 か っ た. 10 月 20 日 に 第 38 任務 部隊 (フ レ デ リ ッ ク · C · シ ャ ー マ ン少将) に 加 わ る た め, エ ス ピ リ ト ゥ サ ン ト 島 へ 向 け て 出航 し た. 折 り し も 部隊 は, 差 し 迫 っ て い た ギ ル バ ー ト 諸島 の 戦 い に 投入 さ れ る 予 定 で, 第 5 艦隊 (レ イ モ ン ド · ス プ ル ー ア ン ス 中将) に 返 す 期限が 迫 っ て い た [3]. 11 月 1 日 と 2 日, プ リ ン ス ト ン は 同 部隊 の 空 母 「サ ラ ト ガ (USS Saratoga, CV-3)」 と 共 に ブ ー ゲ ン ビ ル 島 の エ ン プ レ ス · オ ー ガ ス タ 湾 上 陸 支援 の た め, ブ カ 島 お よ び ブ ー ゲ ン ビ ル島 の 日本 軍 飛行 場 を 空襲 し た. 同時 に, 水上 部隊 は ブ カ 島 お よ び シ ョ ー ト ラ ン ド 諸島 を 砲 撃 し, 日本 軍 を 振 り 回 し た 挙 句 に 間隙 を 突 い て 上 陸 に 成功 し, ブ ー ゲ ン ビ ル 島 の 戦 い が 始 ま っ た [4] . 上 陸 を 妨害 し よ う と し た 日本 艦隊 を ブ ー ゲ ン ビ ル 島 沖 海 戦 で 蹴 散 ら し た 後, 偵察機 は 新手 の 日本 艦隊 の 接近 を 報 じ て き た. プ リ ン ス ト ン と サ ラ ト ガ は 新手 の 艦隊 を ブ ー ゲ ン ビ ル 島 に 近 づ け さ せ な い よ う, 5日 と 11 日 に ラ バ ウ ル を 空襲 し, 攻 撃 を 受 け た 日本 艦隊 は 呆 気 な く 逃 げ 帰 っ て い っ た. 19 日 に は 第 50 任務 部隊 と 共 に ナ ウ ル の 飛行 場 の 無力 化 を 手 伝 っ た. そ の 後 プ リ ン ス ト ン は 北 東 へ 向 か い マ キ ン とタ ラ ワ に 向 向 か う 途中 の 攻略 攻略 部隊 を 援 護 し 、 他 の 空 母 か ら 破損 し た た 飛行 機 と 運用 可能 機 機 を 交換 し た 後 に 、 真珠 湾 お よ び 西海岸 た 飛行 と と 運用 可能 機 を 交換 し た 後 に 、 真珠 湾 お よ び 西海岸 へ 向 っ っ

1944 年 編 集

喪失 [5] [6] 編 集

軽 巡洋艦 「バ ー ミ ン グ ハ ム (USS Birmingham, CL-62)」 「リ ノ (USS Reno, CL-96)」 、 駆 逐 艦 「「 モ リ ン (USS Morrison, DD-560) 」「 ア っ ー ウ ィ 」, DD と た.に も 艦 番号 が が り り 合 わ せ の 姉妹 艦 (軽 巡 「タ ラ ハ シ ー (CL-61)」 と し て 起工 さ れ た 艦 だ っ た。


Banco de dados da Segunda Guerra Mundial


ww2dbase USS Princeton, um pequeno porta-aviões da classe Independence de 11.000 toneladas, foi construído em Camden, New Jersey. Originalmente estabelecido como o cruzador leve Tallahassee (CL-61), ela foi convertida em um porta-aviões antes do lançamento e redesignado CV-23. O número do casco foi alterado para CVL-23 em julho de 1943. Princeton foi comissionado em fevereiro de 1943 e, após operações de shakedown na área do Atlântico, chegou a Pearl Harbor em agosto. Ela cobriu a ocupação da Ilha Baker em agosto e setembro e invadiu Makin e Tarawa mais tarde em setembro de 1943. Princeton teve um novembro agitado, apoiando os desembarques em Bougainville, invadindo Rabaul e Nauru e participando da invasão das Ilhas Gilbert.

ww2dbase Após uma rápida revisão no Puget Sound Navy Yard, Princeton ajudou na conquista das Ilhas Marshall em janeiro e fevereiro de 1944. Nos quatro meses seguintes, seus aviões atacaram alvos japoneses no Pacífico Central e apoiaram desembarques anfíbios em Hollandia, New Guiné. Em junho, Princeton participou da invasão de Saipan e da Batalha do Mar das Filipinas. Ela continuou a cobrir a operação das Marianas em julho, depois participou de incursões no Palaus, nas Filipinas, em Okinawa e em Taiwan durante os meses de agosto, setembro e outubro.

ww2dbase Em 24 de outubro de 1944, Princeton estava ao largo do norte das Filipinas, participando de ataques aos aeródromos de Luzon para apoiar a invasão de Leyte. Naquela manhã, ela foi atingida por um bombardeio japonês e incendiada. O incêndio não pôde ser contido e, no meio da tarde, um carregador de bombas explodiu. Em seguida, parte do navio naufragou e severas baixas infligidas à tripulação do USS Birmingham (CL-62), que estava ao lado ajudando no combate aos incêndios. Depois que seus tripulantes restantes foram removidos, o USS Princeton foi afundado por suas escoltas.

ww2dbase Fonte: Centro Histórico Naval.

Última revisão importante: agosto de 2005

Mapa interativo de Light Carrier Princeton

Linha do tempo operacional de Princeton

25 de fevereiro de 1943 Princeton foi contratado para o serviço.
1 de novembro de 1943 O USS Princeton lançou duas surtidas contra as posições japonesas em Bougainville, nas Ilhas Salomão, em apoio aos desembarques.
2 de novembro de 1943 O USS Princeton lançou duas surtidas contra as posições japonesas em Bougainville, nas Ilhas Salomão, em apoio aos desembarques.

Você gostou deste artigo ou achou este artigo útil? Em caso afirmativo, considere nos apoiar no Patreon. Mesmo $ 1 por mês já é uma boa escolha! Obrigada.

Compartilhe esse artigo com seus amigos:

Comentários enviados por visitantes

1. Ronn Owens diz:
23 de março de 2006 05:21:35 PM

O irmão mais velho da minha mãe, Russel Stevens, foi morto após a segunda explosão enquanto lutava contra os incêndios. Sua esposa, Katherine, ainda mora em Des Moines. Sua única filha, Janet, faleceu há três anos de câncer. Russell era o mais velho de cinco meninos e quatro irmãs. Apenas um irmão, o tio John Stevens, ainda mora em Idaho. Ronn Owens Hicksville, Ohio

2. Anônimo diz:
15 de março de 2009 10:14:59 AM

Não sei muito sobre meu avô quando ele faleceu em 1967. Sei que ele estava no Princeton quando ela afundou e isso é tudo que sei. Onde posso obter mais informações?

3. D Knight diz:
17 de junho de 2009 07:49:04 PM

Meu avô também era marinheiro em Princeton e felizmente sobreviveu, em parte graças aos esforços e sacrifícios dos homens em Birmingham. Para obter recursos, você pode pesquisar as coisas de acordo com a Lei de Liberdade de Informação, e há algumas pessoas bem informadas em military.com que também podem ajudar.
Deus abençoe

4. Anônimo diz:
25 de agosto de 2009 04:40:25 PM

Um querido amigo meu tinha um irmão que morreu a bordo do USS Princeton durante a batalha pelo Golfo de Leyte. Seu nome era Harold Ellison. Como posso obter algumas informações para sua irmã, Fran. Obrigada. John P

5. John Williams diz:
10 de março de 2010 06:02:23 AM

Meu sogro, Thaddeus Manke, de Bayside, N.Y., serviu a bordo do Princeton e sobreviveu à batalha em que foi afundado por um ataque japonês a bomba. Ele teve que pular da âncora e teve a sorte de ter um piloto no convés que atirou para ele uma Mae West que pousou bem em sua cabeça. O que ele estava usando tinha buracos de bala. Ele não sabia nadar e passou as 13-14 horas seguintes à deriva no Pacífico até ser pego por uma patrulha. Ele está com 83 anos agora, com saúde frágil, mas se lembra daquele dia como se fosse hoje. Graças a Deus por aquele piloto que jogou o colete salva-vidas !!

6. john williams diz:
25 de abril de 2010 04:14:48 PM

Como uma atualização da minha postagem de 10 de março, meu sogro Thaddeus Manke faleceu em Bayside, N.Y. em 21 de abril de 2010. Ele era um homem maravilhoso e sua falta é sentida profundamente. Deus te abençoe pai.

7. Anônimo diz:
30 de maio de 2010 06:59:58 PM

Meu tio Joseph Bernard Flint foi servido a bordo do USS Princeton e foi resgatado quando este afundou - infelizmente não sei mais nada sobre ele ou seu serviço na Marinha.

8. Gary Grimme diz:
2 de julho de 2010 05:53:44 PM

Meu tio, William K. Taylor, era capitão do avião F6F no Princeton e estava na superfície quando o porta-aviões foi atacado. Ele viu o avião que lançou a bomba e o observou enquanto ela atingia o convés de vôo e explodia abaixo do convés. Ele permaneceu a bordo para ajudar a combater os incêndios até que o navio explodisse novamente, o que o mandou para o mar. Ele foi resgatado do mar pelo DD794 USS Irwin.

Qualquer pessoa que desejar mais informações sobre o USS Princeton e os homens que serviram a bordo do navio, pode entrar em contato comigo pelo e-mail [email protected], e terei o prazer de fornecer informações que o colocarão em contato com os sobreviventes restantes através do TIGER RAG & amp the Associação de Princeton.

9. Gary Grimme diz:
2 de julho de 2010 06:00:43 PM

Com a permissão do dono do site, tenho um vídeo que fiz sobre o naufrágio do Princeton durante a Batalha pelo Golfo de Leyte, que pode ser visualizado cortando / colando o seguinte link:

10. Patrick Taylor diz:
22 de agosto de 2010 05:51:46 PM

Eu fiz o cruzeiro de 1968 em Princeton (LPH-5) e enquanto estava em Branson, MO na semana passada, participando da reunião do USS Goldsborough DDG 20, cruzei com a reunião de Princeton e até conheci um antigo companheiro de navio. Como posso saber mais informações sobre a associação e suas reuniões?

11. Esther Morgan diz:
24 de agosto de 2011 07:26:55 AM

meu pai estava no irwin dos uss. seu navio pegou 646 homens, eu acho, do Princeton ... minha irmã está fazendo um álbum de recortes sobre nosso pai na marinha. o que estou procurando são os nomes dos homens que o irwin pegou .Eu procurei e olhei e simplesmente não consigo encontrar. alguém pode ajudar .. obrigado

12. John Windolff diz:
29 de agosto de 2011 05:34:33 AM

Tive um tio-avô, Eugene Richie, que morreu enquanto estava no Birmingham ajudando o Princeton.

13. Greg Welch diz:
18 de novembro de 2011 08:56:47

Meu pai serviu como oficial de artilharia no Princeton. Ele saltou para o lado antes da explosão final e quase foi afogado por um navio que dava ajuda (provavelmente Birmingham). Ele desmaiou e foi puxado para um barco salva-vidas onde segurava um marinheiro gravemente ferido que morreu em seus braços. O Irwin pode ter pego meu pai. Deus abençoe todos os que serviram nela.

14. Anônimo diz:
23 de novembro de 2011 12:19:32

Disseram que meu tio David Walsh foi morto neste barco. Gostaria de saber se isso é verdade

15. Eric G Schloer Jr diz:
17 de julho de 2012 07:26:44 PM

Alguém aí se lembra do meu pai Eric Schloer? Por favor, deixe-me saber, eu sou seu filho e homônimo. Obrigado!

16. Ron Prince diz:
26 de janeiro de 2013 10:22:15 PM

Olá Eric, Jr. Conheci seu pai muito bem. Nossos caminhos se cruzaram em Pensacola, New Jersey e Califórnia. Eu era um jovem piloto da Marinha quando nos conhecemos. Minha esposa era sua babá em Pensacola. Eu estava com seu pai quando ele fez o primeiro voo para Frankfurt, na Alemanha. Ele me apresentou a sua família em Frankfurt (tias e tios). Eu o vi pela última vez em 1965 em NAS Moffett Field, CA. Em Pensacola, joguei handebol com ele e fui derrotado pelo seu pai. Ele era um atleta excelente, embora fosse 15 anos mais velho que eu. Ele foi um dos melhores cavalheiros que conheci durante meu serviço na Marinha. Fiquei profundamente triste ao saber de sua morte prematura em 1973. Atenciosamente, Ron

17. Lucien diz:
27 de agosto de 2013 06:41:43 PM

Meu tio Lucien Pelletier estava no convés principal do Princeton tirando fotos quando ele e muitos outros homens a bordo que lutavam contra as chamas foram mortos na explosão da revista que destruiu o centro do navio. Nós (minha família) reunimos pedaços de informações dos sobreviventes daquela primeira grande explosão.

18. Frank Ness diz:
20 de setembro de 2013, 04:03:00 PM

Olá Eric Jr. Tive a sorte de ter servido com seu pai na NAVPRO Lockheed, em Sunnyvale, CA de 1971 até sua morte prematura em 1973. Ele foi um dos melhores oficiais e cavalheiros consumados com quem servi durante meus 20 + ano de carreira na Marinha. Se você descobriu algo como ele, considere-se verdadeiramente abençoado. Atenciosamente, Frank

19. Erika Hoff diz:
25 de outubro de 2013 12h48:30

Meu tio estava a bordo deste navio, seu nome é Harold M. Elliott, alguém se lembra dele. Obrigado a todos por sua bravura a serviço de nosso país.

20. Bob Pulaski, de Baltimore, diz:
20 de novembro de 2013 05:08:23 PM

Meu pai, Norman (todos o chamavam de & # 34Ski & # 34), serviu em Princeton como companheiro de artilheiro até seu último dia. Ele faleceu há 2 anos, mas falou com orgulho de seus dias em Princeton até suas últimas semanas. Pop mudou a data de sua certidão de nascimento e se alistou três semanas depois de seu aniversário de 16 anos. Deus abençoe todos os que serviram.

21. Keith Smith diz:
31 de dezembro de 2013, 05:11:40 PM

Meu pai, William D. Smith serviu no Princeton naquele dia. Ele era um AMM. Ele também mentiu sobre sua idade e tinha 15 anos quando se alistou. Gostaria de saber se alguém se lembra dele. Ele faleceu em 1994. Há fotos dele nadando do bote salva-vidas até o USS Cassin Young. A foto está nos arquivos.

22. Jonathan Weidemann diz:
23 de março de 2014 16:31:37

Meu tio, Abel Weidemann, estava no Princeton e em uma das salas das caldeiras quando as explosões ocorreram. Supostamente alguém o ajudou a colocar um colete salva-vidas e a jogá-lo no mar. Alguém se lembra dele ou quem o ajudou? Qualquer informação seria muito apreciada.

23. Jim Snow diz:
16 de maio de 2014 20:48:05

Resposta à postagem 14. por anônimo datado de 23 de novembro de 2011 12:19:32. Seu tio, David Samuel Walsh (data de nascimento 24 de maio de 1921) era um suboficial de 1ª classe e estava no Princeton quando ele afundou em outubro de 1944. Há uma lápide em sua homenagem no cemitério de Greenwood, Reidsville NC. Deus o abençoe e seus companheiros.

24. Anônimo diz:
19 de maio de 2014, 04:09:57 PM

Meu tio David F. Cardoza MM3C foi morto e desaparecido em ação na Batalha de Layte. Ele esteve envolvido em todas as nove batalhas a bordo do Princeton, a nona sendo Layte. Ele é uma das almas perdidas no fundo do Mar de Sibuyon. Honre a ele e a seus camaradas por seu sacrifício final. Deus abençoe suas almas por toda a eternidade.

25. Tami S. diz:
24 de outubro de 2014 22:23:04

O nome do meu pai é Varon Robert Kindt (Bob). Ele era um cozinheiro a bordo do Princeton. Ele tinha 29 anos naquele dia fatídico. Quando a explosão inicial aconteceu, suas roupas pegaram fogo e ele ficou gravemente queimado nas costas. Ele disse que era capaz de correr e pulou da cauda do leque. Foi difícil para ele falar sobre o que aconteceu a seguir. Meu pai ficou na água por 6 horas. Ele disse que era horrível assistir e ouvir seus companheiros de navio sucumbirem a ataques de tubarões e / ou ferimentos. Também sem saber se ele seria o próximo. A água salgada agonizava em suas queimaduras. Finalmente os botes salva-vidas chegaram e ele foi salvo. Papai recebeu o coração roxo. Eu sei que ele às vezes era assombrado por aquelas memórias horríveis e as mortes trágicas de tantos homens excelentes, mas ele estava extremamente orgulhoso de seu serviço a bordo do Princeton. Infelizmente, o perdemos em 1995 de insuficiência cardíaca. Ele foi um grande homem e ainda faz muita falta. Rezo para que nunca esqueçamos os enormes sacrifícios das muitas almas corajosas que testemunharam aquele dia catastófico. A eles e a todos os homens e mulheres do serviço do passado e do presente, eu digo obrigado.

26. Burt diz:
21 de novembro de 2014 21h25min35s

Oi
Tentando descobrir algumas informações sobre um aviador naval que estava no USS Princeton em outubro de 1943. Seu nome era tenente Nathaniel G. Kanrick. Alguém tem alguma informação sobre ele?
Obrigado

27. Paul Rother diz:
28 de fevereiro de 2015 06:47:38 PM

Meu tio Paul Rother estava no Princeton, tendo dificuldade em encontrar uma escala.

28. Dee Foster diz:
6 de maio de 2015, 05:25:38 PM

Olá, sou sobrinha-neta de John George Weber. Ele era um maquinista de primeira classe e morreu em 25 de outubro de 1944. Ele está enterrado em Manila. Presumo que ele morreu na batalha pelo Golfo de Leyte. Alguém se lembra dele?

29. Kelly diz:
7 de junho de 2015 04:49:31 PM

Meu avô Norman S Gorman estava no USS Princeton e sobreviveu. Infelizmente ele faleceu quando eu tinha 5 anos. Minha mãe tem uma longa foto de todos os membros da tripulação.

30. steven m owen diz:
4 de agosto de 2015 19:16:27

Jonathan Weidemann diz:
23 de março de 2014 16:31:37

Meu tio, Abel Weidemann, estava no Princeton e em uma das salas das caldeiras quando as explosões ocorreram. Supostamente alguém o ajudou a colocar um colete salva-vidas e a jogá-lo no mar. Alguém se lembra dele ou quem o ajudou? Qualquer informação seria muito apreciada. FRANK MARTIN OWEN ERA CALADOR NA HORA! A ÚLTIMA VEZ QUE MOROU EM Michigan com seu sobrinho MIKE OWEN DE EAST LANSING MICHIGAN

31. Steven Martin Owen diz:
4 de agosto de 2015 07:18:05 PM

1944 MUSTER ROLL CVL-23 USS PRINCETONhttps: //youtu.be/8yPoHBmZDt4? List = PL74B3FAAFB5A86BE3

32. steven martin owen diz:
4 de agosto de 2015 07:19:58 PM

Carregado em 15 de julho de 2011
O primeiro Grupo de Oficiais e Tripulação do USS Princeton CVL-23, porta-aviões leve, janeiro de 1944.https: //youtu.be/8yPoHBmZDt4? List = PL74B3FAAFB5A86BE3

33. j ben goodin diz:
11 de novembro de 2015 15:27:38

meu tio conta pouco, rico mt. arca servida em Princeton, ele morreu por volta de 2006

34. Mike O & # 39Connor diz:
4 de março de 2016 07:20:10 AM

Estou trabalhando em um livro sobre o VF-27, o esquadrão F6F que estava no USS PRINCETON quando ela se perdeu. Eu ficaria grato em ouvir de qualquer pessoa que serviu ou tem informações ou fotos no Fighting 27.

35. Betty Arnold Henderson diz:
16 de abril de 2016, 14:31:14

Ao pesquisar a árvore genealógica de um amigo, notei um memorial em findagrave.com para o tenente Alfred Harris Bell em um cemitério em minha cidade natal. Fiquei profundamente triste porque este jovem foi morto em seu 25º ano de vida e nada aparece em seu marcador, exceto seu nome e os anos de nascimento e morte, ramo de serviço (USNR) e posição. Foi o ano de 1945 que me chamou a atenção.

Um pouco de pesquisa aqui e ali não forneceu quase nada sobre este jovem. Há duas árvores genealógicas postadas que mal o mencionam. Eu quero retificar isso. É o mínimo que posso fazer pelo sacrifício que ele fez por todos os americanos.

A escassez de registros oficiais sobre sua vida é desconcertante. Além dos poucos dados que obtive nos registros do censo e nos anuários das faculdades, a maior parte das informações que encontrei é que sua posição era a de tenente j.g. e ele serviu na Reserva da Marinha dos EUA.

Encontrei nos dois únicos registros militares. Uma lista que sua casa era em Pensacola, Flórida, e seu parente mais próximo era sua esposa, a Sra. Rebecca Arlney Bell. Este registro é uma lista de militares da Flórida em todas as filiais que morreram durante o serviço ativo.

O segundo registro que encontrei fornece seu número de serviço e o mundo & # 34não recuperável & # 34. Suponho que isso significa que os restos mortais do Tenente Bell nunca foram encontrados, embora também possa significar que seus registros de serviço estão selados.

Tudo o que sei, então, é o ano de sua morte, 1945. Não tenho a menor ideia se ele cumpriu missões no exterior ou serviu em um navio da USN. Estou apenas tentando não deixar pedra sobre pedra.

Pesquisas posteriores revelam que o USS & # 34Princeton & # 34 caiu no final de 1944 ou no início de 1945. Estou pensando sobre a possibilidade do tenente j.G. Bell tendo servido neste navio. Não consigo encontrar nenhuma lista on-line que identifique o & # 34Princeton & # 39s & # 34
oficiais e tripulantes pelo nome.

Se você tiver qualquer informação sobre o tenente JG Bell, agradeceria se você compartilhasse comigo. Eu quero realçar seu memorial.

Betty Arnold Henderson
Bradenton, Flórida

36. David Stubblebine diz:
16 de abril de 2016 20:24:05 PM

O tenente (jg) Alfred Harris Bell era um piloto do Esquadrão de Combate 51. Ele foi morto em 24 de junho de 1945 durante um exercício de treinamento de bombardeio quando seu F6F Hellcat sofreu uma falha estrutural e caiu no Estreito de Juan de Fuca, estado de Washington. Seu avião afundou em 500 pés de água e seu corpo nunca foi recuperado. Ele não foi designado para o USS Princeton.

37. Dick Tobiason diz:
8 de julho de 2016 06:01:13 PM

Eu conheci Robert Houghton Connell hoje (7/8/16) em Bend, OR. Ele era um Radioman de primeira classe em Princeton. Ele sobreviveu ao naufrágio nadando até o Irwin. Pretendemos homenageá-lo com uma viagem de vôo de honra gratuita de 4 dias para Washington, DC neste outono.

38. Tim Lynch diz:
14 de setembro de 2016 06:17:09 PM

Meu avô estava a bordo do Princeton quando ele afundou. Seu nome era Herbert Thomas Ellis e ele faleceu em 2007. Ele não gostava muito de falar sobre isso, mas disse que entrou na água. Você tem algum registro de qual navio pode tê-lo recolhido?

39. Bill Dalton diz:
1 de janeiro de 2017 04:36:20 PM

Estou tentando descobrir informações sobre meu pai enquanto ele servia no Princeton CVL 23. Seu nome é MM William E. Dalton Jr. Ele estava no ar quando o navio afundou e pousou em algum local desconhecido. Estou tentando descobrir para onde os aviadores foram enviados depois que o navio afundou. Meu pai ainda está vivo, mas nunca comenta o que aconteceu depois que o navio deles foi afundado. Ele está na casa dos 90 agora, então não quero pressioná-lo, mas o tempo está se esgotando. Obrigado por qualquer ajuda. Ele era um artilheiro traseiro no Helldiver e depois um artilheiro em um B24.

40. Anônimo diz:
2 de março de 2017 12:50:43

Meu avô, um contramestre John W King recebeu uma estrela de prata em 1944 por & # 34ajudar marinheiros do navio que afundava & # 34 porque ele era humilde e / também faleceu em 1973 a única pessoa que conhecia era minha avó, que infelizmente tem Alzheimer & # 39 e a única informação que ela foi capaz de fornecer foi a acima. Pesquisei sem sucesso. Eu adoraria saber mais. então, se alguém tiver informações, entre em contato comigo em [email protected] Muito obrigado por todos os serviços para a família e # 39 em nosso país. Stephanie

41. Dawn Garrison diz:
15 de abril de 2017 06:14:59 PM

Meu avô, Neal Hanset, faleceu quando eu era criança. Os papéis de agrupamento mostram que ele estava no navio pouco antes de 24 de outubro de 1944 e ele estava no papel de agrupamento de novembro, reatribuindo-o. Mas, há uma maneira de confirmar se ele estava realmente a bordo no último dia dela? Quer dizer, já que ele nunca falou nisso, é possível que ele estivesse de licença?

42. Gordon Dwane diz:
12 de dezembro de 2018 04:17:06

Meu pai era um artilheiro do USS Princeton cvl-23 quando ela foi afundada. Ele teve que pular 85 pés na água. Seu nome era Raymond Bialobrezwski. Fui adotado e não o encontrei até este ano. Infelizmente, ele faleceu há 2 anos. Procurando encontrar qualquer informação ou fotos dele durante seu serviço.

43. Jim Spencer diz:
30 de dezembro de 2018 11h32min16s

Meu tio, William J. Spencer WT2c ajudou a construir, serviu e morreu a bordo do & # 34Peerless P & # 34, como ele a chamava carinhosamente. Ele era de Gloucester City, NJ.
Se algum parente o conhecesse, por favor, entre em contato comigo. Para quem procura mais informações, confira o excelente livro & # 34Carrier Down - The Sinking Of The USS Princeton CVL-23. Eu tenho muitas informações. Se alguém tiver alguma dúvida, sinta-se à vontade para me enviar um e-mail para: [email protected]

44. Pam Richardson diz:
18 de janeiro de 2019 23:11:06

Meu pai, Charles Evans, estava a bordo do USS Princeton em seu último dia. Ele saltou do navio e sobreviveu. Por incrível que pareça, ele morreu exatamente 62 anos antes do dia em que o navio afundou em 24 de outubro de 2006.

45. Alex Pantages diz:
16 de abril de 2019 21h40min15s

Acabei de encontrar este fórum. Meu pai era o companheiro do farmacêutico # 39 em Princeton, desde o comissionamento até o naufrágio do # 39. He is 99 years old (and still going strong). I made a video of it's history and posted on Youtube (in case anyone is interested, the link is: https://youtu.be/woAC0yjPiJA ). Dad is still pretty sharp and if I can get him to answer any of your questions, let me know and I'd be glad to pass on to him!

46. Joy Ferguson says:
30 May 2019 06:33:33 AM

Alex Pantages can you email me I have questions about my Grandfather LT Elwood Charles Schuler and his friends Ens B.L. Black and LT Stockert. I believe they were all on the USS Princeton. I have photographs. [email protected]

47. Alex Warren says:
9 Dec 2019 03:48:18 PM

Alex Pantages can you ask your dad if he knew my greatgrand father Charles Jack Warren Sr. you can contact me at my email [email protected]

48. Phil thomas says:
23 Feb 2020 06:02:29 AM

My dad Lenard Thomas was a tail gunner first mate I think was his title on the ship just wondering what his job was

49. Kathy Butterfield says:
13 Jul 2020 11:27:33 AM

My uncle, Ellsworth Adler, was on the Princeton when hit. Any/all information would be most appreciated by my family.

50. Anonymous says:
13 Jul 2020 11:30:26 AM

Looking for Chris Parrilli, a tail gunner. Not sure if he was on the Princeton. If anyone has information, please post. Obrigada.

51. Lynn M White says:
29 Jul 2020 06:55:19 PM

My uncle was on Aircraft Carrier USS Princeton he did survive but is now deceased his name is Edward F. Dailey
Wondering if you can get me any info or pictures of him

52. Richard Renner Jr says:
15 Nov 2020 08:09:48 PM

My Grandfather was on USS Princeton..warrant officer fred renna renner.do u have a picture of him.

Todos os comentários enviados pelos visitantes são opiniões daqueles que os enviaram e não refletem as opiniões do WW2DB.


VF-23 Flashers

Fighter Squadron 23 (VF-23) was established at Naval Air Station Oceana, Virginia On August 6, 1948. The squadron was attached to Air Group Two aboard the USS Midway (CV-41) and flew the F4U-5 Corsair and F6F-5P Hellcat. By April 1949, the squadron flew the F4U-4 Corsair exclusively, embarking with that aircraft for a Mediterranean Sea Deployment from May-Dec 1949.

In August 1950, the squadron moved to NAS Alameda, California, and then deployed for the first of three cruises in support of the Korean War. On 15 Sep 1950, the squadron flew combat missions from USS Boxer (CV-21) in support of the amphibious landings at Inchon, Korea. Upon their return to the States, the squadron relocated to NAS Moffett Field in Nov 1950. The squadron transitioned to the jet age in Jan 1951, flying the straight-wing F9F-2 Panther on their second Korea deployment from USS Princeton (CV-37). During the third Korean War deployment, while flying from USS Essex (CV-9) In Aug 1952, squadron aircraft participated in joint operations with the U.S. Air Force, striking targets in Pyongyang and the surrounding area.

The squadron transitioned to the F2H-3 Banshee in March 1953 and adopted a new role as an all-weather fighter squadron. In Mar 1954, the squadron was deployed to the western Pacific aboard Essex when the carrier was ordered to operate off the coast of Vietnam during the Viet Minh s assault against the French at Dien Bien Phu.

In Dec 1956, VF-23 transitioned to the F4D-1 Skyray, and in Aug and Sep 1958, the squadron flew sorties from USS Yorktown (CV-10) in the Taiwan Straits after the Chinese Communists bombarded Quemoy Island.

VF-23 deployed to the WestPac aboard USS Hancock (CV-19) in 1958 and again 1959. The squadron, now known as the Vigilantes, transitioned to the F3H-2 Demon in Jan 1959. A month later, the squadron was redesignated Fighter Squadron ONE HUNDRED FIFTY ONE (VF-151) on 23 February 1959 and assigned to Carrier Air Group 15.

COMMANDING OFFICERS:
1. LCDR T. J. Gallagher, Jr. (AUG48-OCT49)
2. LCDR C. E. Russell (JUL50-MAR51)
3. LCDR R. C. Mueller (MAR51-FEB52)
4. LCDR C. C. Aikins (FEB52-JUN53)
5. CDR W. J. Maran (JUN53-OCT54)
6. CDR W. H. Neal (OCT54-OCT56)
7. CDR C. A. Knight (OCT56-FEB58)
8. CDR J. H. Stewart (FEB58-FEB59)


Attack carrier (1945–1954) [ edit | editar fonte]

Following shakedown off Cuba, Princeton — with Air Group 81 embarked – remained in the Atlantic and operated with the 8th Fleet until June 1946.

Princeton off Tsingtao, China, in 1948.

Then transferred to the Pacific Fleet, she arrived at San Diego, departing again on 3 July 1946 to carry the body of Philippine President Manuel L. Quezon back to Manila for burial. From Manila, Princeton joined the 7th Fleet in the Marianas, becoming flagship of Task Force 77 (TF 77). In September and October 1946, she operated in Japanese and Chinese waters, then returned to the Mariana Islands where she remained until February 1947. In 1947 she had Carrier Air Group 13 on board, and in October 1948 evacuated dependents from Tsingtao, returned to San Diego Dec 1948 and unloaded CAG13 Maneuvers in Hawaiian waters preceded her return to San Diego until 15 March. She cruised the West Coast, Hawaiian waters, and the Western Pacific (1 October – 23 December) in 1948. She then prepared for inactivation, and on 20 June decommissioned and joined other capital ships in the Pacific Reserve Fleet.

Korean War [ edit | editar fonte]

Reactivated with the outbreak of hostilities in Korea 15 months later, Princeton recommissioned on 28 August 1950. Intensive training refreshed her Reservist crew, and on 5 December she joined TF 77 off the Korean coast, her planes and pilots (Air Group 19) making possible the reinstitution of jet combat air patrols over the battle zone. She launched 248 sorties against targets in the Hagaru area to announce her arrival, and for the next six days continued the pace to support Marines fighting their way down the long, cold road from the Chosin Reservoir to Hungnam. By the 11th, all units had reached the staging area on the coast. Princeton ' s planes, with other Navy, Marine, and Air Force squadrons, then covered the evacuation from Hungnam through its completion on the 24th.

Princeton off Korea 1950–51.

Interdiction missions followed, and by 4 April Princeton ' s planes had rendered 54 rail and 37 highway bridges inoperable and damaged 44 more. In May, they flew against the railroad bridges connecting Pyongyang with Sunchon, Sinanju, Kachon, and the trans-peninsula line. Next, they combined close air support with raids on power sources in the Hwachon Reservoir area and, with the stabilization of the front there, resumed interdiction. For much of the summer they pounded supply arteries, concentrating on highways, and in August Princeton got underway for the U.S., arriving at San Diego on the 21st.

On 30 April 1952, Princeton rejoined TF 77 in the combat zone. For 138 days, her planes flew against the enemy. They sank small craft to prevent the recapture of offshore islands blasted concentrations of supplies, facilities, and equipment behind enemy lines, participated in air-gun strikes on coastal cities, pounded the enemy's hydroelectric complex at Suiho on the Yalu River to turn off power on both sides of that river, destroyed gun positions and supply areas in Pyongyang and closed mineral processing plants and munitions factories at Sindok, Musan, Aoji, and Najin.

Reclassified CVA-37 (1 October 1952), Princeton returned to California on 3 November for a two-month respite from the western Pacific. In February 1953, she was back off the Korean coast and until the end of the conflict launched planes for close air support, "Cherokee" strikes against supply, artillery, and troop concentrations in enemy territory, and against road traffic. She remained in the area after the truce on 27 July, and on 7 September got underway for San Diego.

Princeton operating as an anti-submarine carrier, 1954.


Fleet Forces 3rd Fleet 4th Fleet 5th Fleet 6th Fleet 7th Fleet Total
1 4 5 15 15 59 99

USS Ronald Reagan (CVN-76) returns to its homeport of Commander, Fleet Activities Yokosuka (CFAY) on Nov. 14, 2020. US Navy Photo

USS Ronald Reagan (CVN-76) finished a more-than-five-month patrol in the Pacific — a 20-year record.

Reagan, which is the service’s forward-deployed carrier, pulled into its homeport of Yokosuka, Japan, on November 14, the Navy said in a news release. Reagan had been on patrol for 159 days, the longest patrol for a Japan-based carrier since 1999. In 1999, then Forward Deployed Naval Force-based carrier USS Kitty Hawk (CV-63) was on patrol for 176 days in the Middle East and the Western Pacific, according to USNI News carrier deployment data.

Japan-based U.S. carriers typically make two shorter patrols every year, with a maintenance period in Yokosuka.

USS América (LHA-6) is in port in Sasebo, Japan.


U.S. Navy Fighting Squadrons in WW2

By Stephen Sherman, Feb. 2000. Updated July 2, 2011.

F ew aspects of naval aviation are more confusing than the U.S. Navy's squadron designations. The Navy changes them all the time, from World War Two to the present. Following is a table that presents a selection of the high-scoring WW2 squadrons. Actually, each row of the table shows one squadron during one deployment.

One of the key American strengths during WWII's air war was the excellent training and depth of our combat pilots. By policy, naval pilots served in combat for a finite tour (e.g. 250 combat hours, or six months, or 25 missions, or whatever). Then they rotated back stateside, typically to train other pilots.

Each Navy squadron would usually serve in combat for several months, usually from one carrier or land base, and usually under one commanding officer (CO). This time was called a "cruise," a "deployment," or a "combat tour." Each row in the table corresponds to one of these deployments.

It got confusing when the Navy would then organize another squadron under the same designation, with new fliers and a new CO, and frequently with a new aircraft. So VF-8 flying Wildcats from Hornet in 1942 had little connection with VF-8 in 1944 on Bunker Hill flying Hellcats. "VF" meant "Heavier-than-air Fighting Squadron," nomenclature that arose when the Navy also flew dirigibles.

By far, the highest scoring squadron was VF-15, with 310 confirmed aerial kills. They had skilled fliers (McCampbell, Rushing, Rigg, Strane, Twelves, et al) and they flew off Essex during some the great aerial fights of 1944 - the Marianas Turkey Shoot of June 19, the Formosa strikes of September, and the Leyte Gulf battles of late October.)

All of the information in this table was summarized from Barrett Tillman's excellent U.S. Navy Fighter Squadrons in World War II. Any errors or over-simplifications are my mistakes, not the author's.

Squadron # "Nickname" Começar Fim A/C Carrier/Base Top Ace (kills w/ sqn) CO (kills w/ sqn) Kills #
Aces
VF-1 "High Hatters" Nov-43 Aug-44 F6F Yorktown CV-10 Richard Eastmond (9) B.M. Strean 100 3
VF-2 "Rippers" Mar-44 Sep-44 F6F Hornet CV-12 Cdr. William A. Dean (10) 240 28
VF-3 "Felix the Cat" Dec-41 May-42 F4F Lexington CV-2 Butch O'Hare (5) Jimmy Thach 18 1
May-42 Jun-42 F4F Yorktown CV-5 Elbert McCuskey (5) Jimmy Thach 34.5 1
VF-5 Aug-42 Oct-42 F4F Saratoga CV-3 H. M. Jensen (7) Leroy Simpler 78 4
Oct-43 Apr-44 F6F Yorktown CV-10 Robert Duncan (7) Ed Owens (5) 93.5 7
VF-6 "Shooting Stars" Dec-41 Oct-42 F4F Enterprise CV-6 Donald E. Runyon (8) James S. Gray 63 1
VF-6 Aug-43 Feb-44 F6F various CV's Alexander Vraciu (9) H.W. Harrison 37.5 0
VF-7 Sep-44 Jan-45 F6F Hancock CV-19 Lt. Cdr. L. J. Check (10) 72 2
VF-8 Dec-41 Jun-42 F4F Hornet CV-8 Merrill Cook (2) Sam Mitchell 5 0
Mar-44 Oct-44 F6F Bunker Hill CV-17 Cdr. William Collins (9) 156 13
VF-9 "Cat o' Nines" Oct-43 Mar-44 F6F Essex CV-9 Hamilton McWhorter (10) Phil Torrey 116 10 est.
Mar-45 Jun-45 F6F Yorktown CV-10 Eugene Valencia (23) John S. Kitten 129 10 est.
VF-10 "Grim Reapers" Oct-42 May-43 F4F Enterprise CV-6 Swede Vejtasa (7.25) J.H. Flatley 43 1
Jan-44 Jun-44 F6F Enterprise CV-6 Richard Devine (8) William Kane 88 5
Feb-45 Apr-45 F4U Intrepid CV-11 P. L. Kirkwood (8) Walter E. Clarke 87 7
VF-11 "Sundowners" May-43 Jul-43 F4F Guadalcanal Charles Stimpson (6) Charles White 52 2
Oct-44 Jan-45 F6F Hornet CV-12 Charles Stimpson (10) E. G. Fairfax 106 5
VF-12 Sep-43 Jun-44 F6F Saratoga CV-3 John Magda (4)? R.G. Dose 20 0
Jan-45 Jun-45 F6F Randolph CV-15 Lt. Cdr. Frederick H. Michaelis (5) 51 2
VF-13 "Black Cats" Jul-44 Nov-44 F6F Franklin CV-13 Albert Pope (7) Wilson Coleman (6) 86 3
VF-14 "Iron Angels" May-44 Nov-44 F6F Wasp CV-18 William Knight (7.5) R. Gray 146 8
VF-15 "Fighting Aces" May-44 Nov-44 F6F Essex CV-9 McCampbell, Duncan, Rushing, Strane, Twelves James Rigg (11) 310 26
VF-16 "Fighting Airedales" Oct-43 Jun-44 F6F Lexington CV-16 Alexander Vraciu (10) Paul D. Buie (9) 136.5 7
VF-17 "Jolly Rogers" Oct-43 Mar-44 F4U Solomons Ike Kepford (16) Tom Blackburn (11) 152 11
VF-18 Oct-43 Mar-44 F6F Bunker Hill CV-17 Lt. Cdr. Sam Silber (6) 74 1
Aug-44 Nov-44 F6F Intrepid CV-11 Cecil Harris (22) Ed Murphy 176.5 13
VF-19 "Satan's Kittens" Jul-44 Nov-44 F6F Lexington CV-16 William Masoner Jr. (10) T. Hugh Winters (8) 155 11
VF-20 Aug-44 Jan-45 F6F Enterprise CV-6/etc. Douglas Baker (16.33) Fred Bakutis (7.5) 158 9
VF-21 Feb-43 Jul-43 F4F Guadalcanal Ross Torkelson (6) John Hulme 69 3
Jul-44 Oct-44 F6F Belleau Wood CVL-24 Bob Thomas (5) V. F. Casey 40 1
VF-22 Sep-44 Jan-45 F6F Cowpens CVL-25 Clement Craig (12) Thomas Jenkins 49.5 3
VF-23 Aug-43 May-44 F6F Princeton CVL-23 L.H. Kerr (4.83) H.L. Miller 35 0
VF-26 Apr-44 Oct-44 FM2 Santee CVE-29 Kenneth Hippe (6) Harold Funk 31 1
VC-27 Oct-44 Jan-45 FM2 Savo Island Ralph Elliott (9) P. W. Jackson 61 1
VF-27 May-44 Oct-44 F6F Princeton CVL-23 James Shirley (12) Fred Bardshar (7.5) 134 10
VF-28 May-44 Dec-44 F6F Monterey CVL-26 Oscar Bailey (5) Roger Mehle 55 2
VF-29 Oct-44 Apr-45 F6F Cabot CVL-28 Robert Murray (10.3) William Eder (6.5) 113 12
VF-30 Jan-45 Jun-45 F6F Belleau Wood CVL-24 James Reber (11) Douglas A. Clark 110 7
VF-31 "Meataxers" Jan-44 Sep-44 F6F Cabot CVL-28 Cornelius Nooy (19) Bob Winston 165.5 14
VF-32 "Outlaw's Bandits" Mar-44 Oct-44 F6F Langley CVL-27 Lt. Cdr. Eddie Outlaw (6) 44 2
VF-33 Aug-43 Jan-44 F6F Solomons Frank Schneider (7) Hawley Russell 74.5 3
VF(N)-41 Aug-44 Jan-45 F6F Independence CVL-23 William Henry (9.5) T. F. Caldwell 46 2
VF-42 Dec-41 May-42 F4F Yorktown CV-5 Art Brassfield (4.83) Oscar Pedersen 25 0
VF-44 "Crusaders" Oct-44 Feb-45 F6F Langley CVL-27 Cdr. Malcolm T. Wordell (7) 47 3
VF-45 Nov-44 May-45 F6F San Jacinto CVL-30 James B. Cain (8) Gordon Schechter 81.5 6
VF-47 "Fighting Cocks" Mar-45 Aug-45 F6F Bataan CVL-29 Samuel Hibbard (7.33) Albert Clancy 67.5 1
VF-50 "Devil Cats" Apr-44 Jul-44 F6F Bataan CVL-29 Daniel Rehm (6) J.C. Strange 61 4
VF-51 Apr-44 Nov-44 F6F San Jacinto CVL-30 William Maxwell (7) C. L. Moore 50.5 1
VF-60 Nov-43 Oct-44 F6F Suwanee CVE-27 R. Singleton (3.25) H.O. Feilbach 25 0
VF-72 Jul-42 Oct-42 F4F Hornet CV-8 George Wrenn (5.25) Henry Sanchez 38 1
VF-80 "Vorse's Vipers" Nov-44 Jan-45 F6F Ticonderoga CV-14 Patrick Fleming (19) Leroy Keith 159.5 10
VF-82 Jan-45 Jun-45 F6F Bennington CV-20 Robert Jennings (7) Edward Hassell 85 5
VF-83 "Kangaroos" Mar-45 Sep-45 F6F Essex CV-9 Thaddeus Coleman (8) H.A. Sampson 137 11
VBF-83 Mar-45 Sep-45 F4U Essex CV-9 Thomas Reidy (10) Frank Patriarca 91 3
VF-84 "Wolf Gang" Jan-45 Jun-45 F4U Bunker Hill CV-17 Doris Freeman (7) Roger R. Hedrick 137 4

U.S. Navy Fighter Squadrons in World War II, by Barrett Tillman

If you've read this far in this website, this book is for you. Most of the book consists of short summaries of the USN fighting squadrons that saw combat in WWII. (It unravels the tangled mess of squadron designations, re-designations, and deployments.) Each squadron history includes its deployments, CO's, and top scorer.

The appendices provide tables of Navy aces in every imaginable way: by aircraft type, a complete alphabetical list of aces, top 50 aces in descending order, the first twenty navy aces, Naval Academy aces, and more.


USS Princeton CV 23 - History


F-4S Phantom II (VF-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - March 1985


F-4S Phantom II (VF-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - March 1985


F-4S Phantom II (VF-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - undated


F-4S Phantom II (VF-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - August 1984


F-4S Phantom II's - yellow striped (VF-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - May 1984


F-4S Phantom II (VF-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - November 1981


crewmen work to recover a damaged McDonnell Douglas F-4J Phantom II of Fighter Squadron VF-151 "Vigilantes" hanging off the side of the ship.
The damage resulted from a collision between USS Midway (CV 41) and the Panamanian freighter Cactus - July 1980


F-4J Phantom II (BuNo 158348 - VFA-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - circa 1979


F-4J Phantom II (BuNo 158348 - VFA-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) - circa 1979


F-4N Phantom II (BuNo 150652 - VFA-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) intercepting a Soviet Tu-95 Bear D aircraft - circa 1975


F-4N Phantom II (BuNo 150479 - VFA-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) intercepting a Soviet Tu-95 Bear D aircraft - March 1974


F-4B Phantom II's (BuNo 151513, 152258 - VFA-151 / CVW-5) embarked on USS Midway (CV 41) dropping bombs over Vietnam - 1971


a P-3A Orion (BuNo 152167) of Patrol Squadron 4 (VP-4) "Skinny Dragons" is escorted by a McDonnell Douglas F-4B Phantom II (BuNo 151436)
from Fighter Squadron 151 (VF-151) "Vigilantes" during Operation Goldilocks, September 1969. VF-151 is assigned to Attack Carrier Air Wing 15 (CVW-15)
aboard USS Coral Sea (CVA-43) for a deployment to the Western Pacific and Vietnam from 23 September 1969 to 1 July 1970


F-4B Phantom II (VF-151 / CVW-15) embarked on USS Constellation (CVA 64) were refueled by an A-6A Intruder of VA-65 over the Gulf of Tonkin - October 1966 (NNAM)



F3H-2N Demon (VF-151 / CVG-15) embarked on USS Coral Sea (CVA 43) - December 1961 (NNAM)

Década de 1940
The Squadron was originally established as Fighter Squadron 23 (VF-23) at Naval Air Station Oceana, Virginia On August 6, 1948. The squadron was attached to Air Group Two aboard the USS Midway (CV-41) and flew the F4U-5 Corsair and F6F-5P Hellcat. By April 1949, the squadron flew the F4U-4 Corsair exclusively, embarking with that aircraft for a Mediterranean Sea Deployment from May-Dec 1949.

Década de 1950
In August 1950, the squadron moved to NAS Alameda, California, and then deployed for the first of three cruises in support of the Korean War. On 15 Sep 1950, the squadron flew combat missions from USS Boxer (CV-21) in support of the amphibious landings at Inchon, Korea. Upon their return to the States, the squadron relocated to NAS Moffett Field in Nov 1950. The squadron transitioned to the jet age in Jan 1951, flying the straight-wing F9F-2 Panther on their second Korea deployment from USS Princeton (CV-37). During the third Korean War deployment, while flying from USS Essex (CV-9) In Aug 1952, squadron aircraft participated in joint operations with the U.S. Air Force, striking targets in Pyongyang and the surrounding area.

The squadron transitioned to the F2H-3 Banshee in March 1953 and adopted a new role as an all-weather fighter squadron. In Mar 1954, the squadron was deployed to the western Pacific aboard Essex when the carrier was ordered to operate off the coast of Vietnam during the Viet Minh’s assault against the French at Dien Bien Phu.

In Dec 1956, VF-23 transitioned to the F4D-1 Skyray, and in Aug and Sep 1958, the squadron flew sorties from USS Yorktown (CV-10) in the Taiwan Straits after the Chinese Communists bombarded Quemoy Island.

VF-23 deployed to the WestPac aboard USS Hancock (CV-19) in 1958 and again 1959. The squadron, now known as the Vigilantes, transitioned to the F3H-2 Demon in Jan 1959. A month later, the squadron was redesignated Fighter Squadron ONE HUNDRED FIFTY ONE (VF-151) on 23 February 1959 and assigned to Carrier Air Group 15.

Década de 1960
In Jul 1961, the squadron moved homeports to NAS Miramar and made the first of three WestPac deployments aboard USS Coral Sea (CV-43). In Jan 1964, the squadron transitioned to the two-seat F-4B Phantom and deployed for its first Vietnam War cruise on 7 Dec 1964. During the eleven month combat deployment, the squadron flew nearly 1500 combat sorties, including support of the 1965 Operation Rolling Thunder bombing campaign against military targets in North Vietnam. The Vigilantes returned to Southeast Asia on their second Vietnam deployment in December 1966 aboard USS Constellation (CV-64).

The squadron made its third deployment of the war aboard USS Coral Sea from July 1967 to April 1968. On October 24, 1967 the squadron's commanding officer, CDR C.R. Gillespie, and his RIO, LTJG R.C. Clark, were shot down by a surface-to-air missile over North Vietnam. CDR Gillespie became a POW and was not released until May 1973. LTJG Clark died in captivity. In Mar 1968, Coral Sea, with VF-151 embarked, operated on station off the coast of Korea following the capture of USS Pueblo (AGER-2) by North Korea. The squadron deployed again in Sep 1968 with Carrier Air Wing 15 (CVW-15) aboard Coral Sea again following a short turn-around period. The squadron made its fifth combat deployment of the war in September 1969 aboard Coral Sea and flew more than 2100 combat sorties, more than any other Navy squadron in FY1970.

Década de 1970
The squadron deployed on its sixth combat cruise of the war in April 1971 with Carrier Air Wing 5 (CVW-5) aboard Midway, flying 1012 combat sorties. In April 1972, the squadron deployed on its seventh and final deployment of the Vietnam War. During this deployment, the squadron spent 205 continuous days in combat flight operations, including support of Operation Linebacker I, the bombing campaign designed to disrupt supplies to the North Vietnamese. The squadron's 205 days of continuous combat flight operations was the longest period of combat flight operations in the history of the Vietnam conflict. From 1965 to 1973, the Vigilantes participated in every major operation of the Vietnam War. The Vigilantes made more combat deployments (7) and spent more time on the line (927 days) than any other carrier based unit - including the longest deployment of the Vietnam War (331 days on USS Coral Sea) and the longest line period of the Vietnam War (208 days on USS Midway).

The Vigilantes returned to San Francisco, California from Vietnam in March 1973 and transitioned to the F-4N variant of the Phantom. On 11 September 1973, USS Midway with VF-151 aboard, departed the US for the last time for many years to come. The ship arrived at its new port of United States Fleet Activities Yokosuka, Japan and the squadron at its new home of NAF Atsugi, Japan on 5 October. The ship was met by a group of Japanese demonstrators, railing against the home porting of a US “Man-of-War” in Japanese waters.

On 1 April 1975, the squadron departed Atsugi and headed for Yankee Station

for what would ultimately be called Operation Frequent Wind or the evacuation of Saigon as the country fell to the communists. The ship took aboard Marine helicopters as it passed Okinawa and offloaded them when in the vicinity of Cubi Point in the Philippines. The ship then headed for the coast of Vietnam and the squadrons flew Combat Air Patrols in support of “Buffalo Hunter” missions as the North Vietnamese moved quickly South through South Viet Nam.

In Aug-Sep 1976, the squadron conducted flight operations near the Korean Peninsula following the murder of U.S. military personnel in the Korean DMZ by North Koreans.

In Aug 1977, the squadron transitioned to the F-4J variant of the Phantom. In 1978 the squadron was named the top TACAIR squadron in CVW-5 and received the Chief of Naval Operations Safety "S" award. The squadron made three Indian Ocean deployments between 1979 and 1980. During the 1979 Midway, with VF-151 embarked, deployed to the Gulf of Aden following the outbreak of fighting between North and South Yemen and the fall of the Shah of Iran. During the 1980 deployment following the Iranian seizure of the American Embassy in Teheran, Midway, with VF- 151 embarked, proceeded to the Gulf of Oman and remained on station until relieved in early February 1980.

Década de 1980
In Dec 1980, the Vigies transitioned to the F-4S variant of the Phantom.

On March 24, 1986, the squadron flew off USS Midway for the last time as VF-151. This event also marked the end of an era, as it was the last flight of the F-4 Phantom II from the deck of an aircraft carrier. The squadron reported to NAS Lemoore, California for transition to the new F/A-18 Hornet. VF-151 was one of only two F-4 fighter squadrons to transition to the F/A-18 and be re-designated a strike fighter squadron. The squadron was redesignated Strike Fighter Squadron 151 (VFA-151) on June 1, 1986. In November of that year, the squadron returned to USS Midway and NAF Atsugi.

source: VFA-151 website

detailed deployments 1973-1986 while forward deployed to NAF Atsugi, Japan
and assigned to CVW-5 aboard USS Midway (CV 41)


source: NHHC

more detailed history + facts:

Established as Fighter Squadron TWENTY THREE(VF-23) on 6 August 1948
Redesignated Fighter Squadron ONE HUNDRED FIFTY ONE (VF-151) on 23 February 1959
Redesignated Strike Fighter Squadron ONE HUNDRED FIFTY ONE (VFA-151) on 1 June 1986
The first squadron to be assigned the VFA-151 designation

Squadron Insignia and Nickname:
The squadron’s first insignia was approved by CNO on 9 August 1949. Colors for the knight and shield insignia were: large white shield outlined in black blue helmet outlined in black with red gems fuchsia cloak purple outer garment with a green band around the waist and over the shoulder, silver chain mail brown boots and straps blue small shield outlined in black, inside the shield was anouter circle of white and a center of green red lightning bolt gold sword outlined in black with red gems.

A new insignia was approved by CNO on 26 May 1955. Colors for the skull insignia are: a black background outlined in yellow white skull with black teeth and markings red and black eyes blue electron rings gray sword with a red flame at the tip white scroll with black lettering. The squadron continued to use this insignia following its redesignation toVF-151 and VFA-151.

Apelido:
The Flashers, 1949-1959
Vigilantes, 1959-1986


(VF-23, 1948-59)
VF-151 - Chronology of Significant Events:

15 Sep 1950:
The squadron flew combat missions in support of the amphibious landings at Inchon, Korea.

Aug 1952:
Squadron aircraft participated in joint operations with the U.S. Air Force, striking targets in Pyongyang and the surrounding area.

Mar 1954:
The squadron was deployed to the western Pacific aboard USS Essex (CVA 9) when the carrier was ordered to operate off the coast of Vietnam during theViet Minh’s assault against the French at Dien Bien Phu.

Aug-Sep 1958:
The squadron flew sorties in theTaiwan Straits after the Chinese Communists bombarded Quemoy Island.

Jan 1961:
USS Coral Sea (CVA 43), with VF-151 embarked, operated in the South China Sea after Pathet Lao forces captured strategic positions in Laos.

Mar 1965:
The squadron participated in Rolling Thunder operations, the systematic bombing of military targets in North Vietnam.

24 Oct 1967:
The squadron’s commanding officer, Commander C. R. Gillespie and his RIO Lieutenant (jg)R. C. Clark, were shot down by a surface-to-air missile while on a mission over North Vietnam. Commander Gillespie became a POW and was released on 14 March 1973, his RIO died in captivity.

Mar 1968:
USS Coral Sea, with VF-151 embarked, operated on station off the coast of Korea following the capture of USS Pueblo (AGER 2) in January by North Korea.

May-Oct 1972:
The squadron participated inLinebacker I operations, heavy air strikes against targets in North Vietnam to interdict the flow of suppliesand to reduce North Vietnam’s ability to continue the war effort in South Vietnam.

Apr-May 1975:
Squadron aircraft participated in Operation Frequent Wind, the evacuation of American personnel from Saigon, South Vietnam, as the country fell to the communists.

Aug-Sep 1976:
Embarked on USS Midway (CV 41), the squadron conducted flight operations near the Korean Peninsula following the murder of U.S. military personnel in the Korean DMZ by North Koreans.

Apr-May 1979:
USS Midway, with VF-151 embarked deployed to the Gulf of Aden to relieve USS Constellation (CV 64) and maintain a U.S. carrier presence following the outbreak of fighting between North and South Yemen and the fall of the Shah of Iran.

Nov 1979-Feb 1980:
Following the Iranian seizure of the American Embassy in Teheran and the taking of American hostages on 4 November, Midway, with VF-151 embarked, proceeded to the Gulf of Oman andremained on station until relieved in early February1980.

May-Jun 1980:
USS Midway, with VF-151 embarked, operated off the coast of Korea due to the civil unrest in South Korea and the massacre of several hundred people in the town of Kwangju.

Dec 1981:
Following tensions in Korea, the squadron operated from USS Midway off the coast of Korea until the tensions subsided.

Apr-Nov 1986:
VF-151 temporarily relocated to NAS Lemoore for transition training in the F/A-18 Hornet. The squadron’s new Hornets were flown to Japan between 18-21 November. VF-151 was one of only two F-4 fighter squadrons to transition to the F/A-18 and be redesignated a strike fighter squadron.

Home Port Assignments (Assignment Date):
NAAS Oceana, Virginia - 06 Aug 1948
NAS Alameda, California - Aug 1950
NAS Moffett Field, California - 11 Nov 1950
NAS Miramar, California - 10 Jul 1961
NS Yokosuka (NAF Atsugi & Misawa), Japan - 05 Oct 1973
(VF-151, along with CVW-5 and USS Midway (CVA 41), were part of a program to permanently assign a carrier and air wing to an overseas home port. Midway’s new home port was Naval Station Yokosuka, Japan. The squadron would normally operate out of NAF Atsugi or Misawa when the carrier was in port NS Yokosuka. The assignment was effective 30 June 1973. However, the squadron did not arrive until 5 October 1973.


CVL - USS Princeton (CVL-23)

This post has not been translated to English yet. Please use the TRANSLATE button above to see machine translation of this post.

ex CL-61 USS Tallahassee

třída: Independence
loděnice: New York Shipbuilding Corporation, Camden
stavba zahájena: 2 června 1941
spuštěna na vodu: 6 prosince 1942
převzata do služby: 25 února 1943

překlasifikována na CVL 23: 14 února 1942
překlasifikována na CV 23: 15 července 1943

potopena: 24 října 1944
pozice: 15°21'N a 123°31'E

délka: 622' 189,58 m
šířka: 71.50' 21,79 m
ponor: 26' 7,92 m

Rozměry letové plochy
délka: 585' 178,30 m
šířka: 109.35' 33,32 m

Rozměry hangárové paluby
délka: 258' 78,63 m
šířka: 57.75' 17,60 m

Výtlak
standartní: 11 000 tun
maximální: 15 200 tun

Pohon
kotle: 4 Babcock & Wilcox
turbíny: 4 General Electric
výkon: 100 000 shp
rychlost: 32 uzlů

Pancéřování
boky: 1"-4.5" 25,4-114,3 mm
hangárová paluba: 2.2" 55,88 mm

Výzbroj
2 x 127 mm 5"/38 ( 2 x I )
( později odstraněny )
24 x 40 mm ( 2 x IV, 8 x II )
16 x 20 mm ( 16 x I )

Počet nesených letadel
45 strojů

This post has not been translated to English yet. Please use the TRANSLATE button above to see machine translation of this post.

This post has not been translated to English yet. Please use the TRANSLATE button above to see machine translation of this post.

This post has not been translated to English yet. Please use the TRANSLATE button above to see machine translation of this post.

Vyznemenání udělená plavidlu :

This post has not been translated to English yet. Please use the TRANSLATE button above to see machine translation of this post.

Operační historie:
Jediná loď třídy Independence, jež byla ztracena v boji. Původně se začala stavět jako křižník Tallahassee v červnu 1941. Princeton vstoupil do služby v lednu 1943 a poprvé se účastnil bojové akce při nájezdu na Tarawu v září 1943. Zůstal v akci při útoku na Truk i za bitvy ve Filipínském moři. V bitvě u Leyte byl 24.10.1944 zasažen jedinou 250kg pumou, jenž pronikla letovou i hangárovou palubou a vybuchla na hlavní pancéřové palubě. Vznícený požár se rozšířil na hangárovou palubu, kde oheň přižily natankované letouny. Úsilí havarijních čet se zdálo být úspěšné až do chvíle, kdy se požát dostal do prostoru skladování torpéd vzadu za hangárovou palubou. Výbuch zbývajících torpéd letadlovou loď zničil a způsobil také těžké škody na nástavbách křižníku, který pomáhal s hašením požárů. Princeton byl později potopen vlastními silami. Byla to poslední americká letadlová loď ztracená za druhé světové války.


Zdroj:
Mark Stille - Letadlové lodě námořnictva USA 1942-45 (Lodě postavené za 2. Světové války)


Assista o vídeo: Aircraft carrier Queen Elizabeth visits and Japans strategic shift Welcom to Yokosuka! 202195 (Janeiro 2022).